quinta-feira, 26 de agosto de 2010

Invasão

Ele me puxou pra dentro daquele apartamento.
Abriu meu zíper, me rabiscou com a língua,
me apertou os seios, pausou os olhos nos meus,
flertou com a minha alma, distraiu minha ira,
atiçou meu pulso, me tirou a fala, me tirou a roupa.
Ele me largou na rua, fechou a porta, levou a outra,
mudou de casa, esqueceu meu nome.
Ele disse que queria, mas não sabia
que querer era também um jeito de acenar adeus.
Ele não sabe que não se invade domicílio se não for ficar.
Ele não sabe que não se bole com coração de mulher.

sexta-feira, 20 de agosto de 2010

Desmonte

Penduro sorriso postiço no rosto,
bochechas vermelhas, dedos que se escondem entre as pernas.
Ainda ontem tentei me amar.
Tirei o rímel, o salto, a saia,
sentei no chão, me olhei de perto.
Não sou bonita, não sou mulher, não estou segura.
Pensei que tinha asas.
Não posso comigo.
Deito, me encerro nesse quarto,
nessa cama, nesses lençóis, nessa saudade.
Me socorre, moço,
que esse meu modo é perverso demais pra um só corpo.

sábado, 7 de agosto de 2010

Recado

Pulso e peço palmas,
tenho fome e quero ajuda.
Esse êxtase não é passageiro,
nem benigno.
Estou em trapos na contramão.
Inapropriada que sou,
melhor dosar minha companhia.
Vou-me nua como quem nasce.
Vou-me sozinha como quem morre.
Quero que me conheçam outra.
Seguirei na risca dos sobressaltos e impulsos.
Onde vou não há pecados.
Onde vou as gentes são soltas.
Onde vou os tempos são outros.

domingo, 1 de agosto de 2010

Dou-lhe as cartas

Por ele finjo de santa, dou-lhe as iras, faço-me tolerante,
desejo-o como amante.
Por ele cometo loucuras e sobrevivo de carnavais,
sigo os pressentimentos e tudo mais.
Dou-lhe as chaves, deixo de virar mesas, pondero e declino,
arrisco e desatino.
Por ele uso silêncios e gemidos, gritos e cantos.
Jogo pudores no lixo, queimo o explícito, venero o mistério.
Por ele me mostro em doses menores e aprendo a calma.
Ele que volte, contorça, me encare.
Não mudo por ele, e nem por ninguém.
Convenço, converto, carrego.
Não caibo nesses limites.

Visitas