quinta-feira, 31 de março de 2011

É preciso que eu me tranque mais dentro de mim
sim
é preciso que eu me contente com meu próprio rico
vão
é preciso que eu olhe menos ao redor pra não te ver
perfeito
barba cerrada
olho no olho
sorriso displicente
me estende a mão
me enche o copo
me nina plácido
é preciso que eu não me jogue nesse abismo que é tua
boca
é preciso que eu seja desmemoriada e menos
impetuosa.
Sou mulher-coisa
mulher-caos
mulher-tua
a dor do relógio
a espera nas costelas
o silêncio do não saber.
Eu quero que o meu corpo se livre do mundo.

3 comentários:

Mayara Almeida disse...

Eu podia falar tranquila que "gostei muito", mas eu vou só dizer obrigada, porque...obrigada.

Anônimo disse...

e SEU LIVRO?

Letícia delícia :)* disse...

Linda, eu adoro tudo que tu escreve. PARABÉNS.

Visitas